Saúde Digital ganha forma no mercado brasileiro

Caminhamos cada vez mais para a convergência. Por meio de tecnologias como Internet das Coisas, Big Data e Computação na Nuvem, a informação se torna fluida e presente, ao invés de estar centralizada em um único repositório. Esses são os pressupostos da chamada Quarta Revolução Industrial, que traz implicações para todas as esferas produtivas.

Partindo dessa premissa, surgiu o termo Saúde 4.0, que pretende empregar toda essa rede de conhecimento e proporcionar ao paciente melhores cuidados e mais autonomia sobre o processo. Parte desta “revolução”, leva em conta que a relação entre o fornecedor de serviços de saúde e aquele atendido será mais transparente.

Nesse ponto, a Saúde 4.0 se aproxima de outra tendência que ganha cada vez mais força: a Humanização da Saúde que significa propor um ambiente melhor tanto para o paciente quanto para todos os envolvidos no atendimento. Estes pontos são abordados no ebook “A Grande Contribuição da Tecnologia para a Saúde”, que a Hospitalar disponibiliza gratuitamente.

Cultura da prevenção

É interessante de se notar que a Saúde 4.0 não remete apenas à soluções para quando o paciente está internado. O chamado monitoramento remoto, que avalia sinais vitais de doentes crônicos por exemplo, pode ser feito sem que o paciente precise ir até uma unidade de saúde, a não ser em casos de alguma alteração que necessite de atendimento médico.

Um exemplo de solução baseada neste princípio é o Wippe Saúde, que disponibiliza sua plataforma tanto para o usuário final, quanto para estabelecimentos. A plataforma monitora sinais vitais e outros índices e está integrada a uma central de alerta. Entre os ganhos no uso de plataformas como essa estão a vantagem econômica de poder antever os gastos a partir da análise de clientes cadastrados, no casos das operadoras e das instituições de saúde, além de diminuir filas e tempo de espera nas unidades. E, para o paciente, a oportunidade de ter um tratamento customizado de acordo com as suas reais necessidades.

Dentro do próprio setor da indústria também já existem iniciativas atuando na frente da prevenção. O Serviço Social da Indústria (Sesi) investiu no último ano em um projeto para o desenvolvimento de novas tecnologias que aumentem a segurança do trabalhador e permita que ele tenha acesso a informações sobre cuidados e manutenção de hábitos saudáveis.

Com orçamento de R$ 35 milhões, foram criados oito centros de inovação que atuam em linhas de pesquisa como Prevenção de Incapacidade, Economia para Saúde e Segurança, Ergonomia, Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho, Longevidade e Produtividade, Higiene Ocupacional, Fatores Psicossociais e Tecnologias para a Saúde. Entre as apostas do projeto, está uma plataforma digital para fornecer informações à distância com o propósito de reduzir os custos com consultas médicas e manter o trabalhador mais ativo em sua jornada.

Centralização da informação

Os benefícios da implementação de uma cultura de Saúde 4.0 não se refletem apenas para os pacientes. As instituições têm muito a ganhar com um ambiente conectado de informações. A adoção de tecnologias como o Prontuário Eletrônico do Paciente causam não só impactos na esfera dos recursos – afinal, haverá menos papel circulando nas unidades de saúde – como também para uma prática médica melhor.

A partir das informações armazenadas, o auxílio de uma equipe interdisciplinar e acesso remoto ao documento, o profissional estará munido para tomar decisões mais assertivas caso a caso, entregando um serviço personalizado para o paciente.

Outra tendência que parte da Saúde 4.0 é a centralização de serviços. Um dos exemplos recentes é o da Richet, no Rio de Janeiro, que inaugurou uma unidade que agrega serviços de diagnósticos de imagem e de laboratório. Dessa forma, o cliente pode em um mesmo lugar realizar os exames, sem precisar recorrer a outras unidades. O médico tem a mesma vantagem, já que pode ter uma visão mais globalizada do estado do paciente e é avisado quando o resultado dos exames está pronto e pode ser acessado pela internet.

Fonte: Site Hospitalar – O Futuro da Saúde

Veja mais posts relacionados

Siemens adota plataforma IoT na FEI

MindSphere, sistema operacional aberto baseado em nuvem da Siemens, será integrado ao avançado laboratório de manufatura digital da Engenharia de...

Login to your account below

Fill the forms bellow to register

*Ao registrar-se em nosso site, você concorda com os Termos e Condições ePolítica de Privacidade.

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.