Moinhos de Vento e HCor coordenam projeto “Coração Bem Cuidado” em hospitais SUS de todo o Brasil

Representantes de 29 hospitais brasileiros que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) se reuniram em Porto Alegre, na última sexta-feira (15), para o 1º Encontro de Investigadores do Projeto IC-Coração Bem Cuidado, desenvolvido pelo Hospital Moinhos de Vento em parceria com o Hospital do Coração de São Paulo (HCor).

No evento, médicos cardiologistas e enfermeiros conheceram as diretrizes do estudo que acontece em parceria com o Ministério da Saúde, por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) e será aplicado em todas as regiões do país.

O objetivo da pesquisa é monitorar pacientes com insuficiência cardíaca depois que eles recebem alta do hospital. Cada paciente será convidado a participar do projeto pelas equipes médicas com base em critérios observados durante a internação. Depois de formalizada a autorização, passa a receber mensagens no celular e ligações telefônicas orientando sobre o tratamento enquanto se recupera em casa.

De acordo com o cardiologista Luís Eduardo Rohde, coordenador do projeto no Hospital Moinhos de Vento, o projeto irá atuar na chamada fase vulnerável da insuficiência cardíaca, que é o primeiro mês depois da hospitalização. “Com a estratégia de intervenção via mensagem de SMS e ligação telefônica, é possível que se evite a re-hospitalização do paciente, além de melhorar sua qualidade de vida e reduzir a mortalidade”.

Destacando a cardiopatia como uma das doenças mais prevalentes no país, o cardiologista Felix Ramires, que coordena o projeto pelo HCor, considera fundamental o desenvolvimento uma estratégia aplicável na população que reduza as internações, a mortalidade e a limitação desses pacientes. “Esse é o futuro: a associação de forças entre instituições para gerar o conhecimento na tentativa de buscar respostas para uma doença tão importante quanto a insuficiência cardíaca”, avalia.

Para ele, a inovação do projeto está na orientação para o autocuidado, permitindo que o paciente colabore com a própria recuperação. “Se ele é mal orientado, ele não participa do tratamento e transfere toda a responsabilidade somente para o médico. Precisamos de maior colaboração e empoderamento do paciente”, explica.

Com início oficial previsto para março, o estudo pretende avaliar 700 pacientes em todos os centros de saúde participantes e apresentar os dados obtidos até o final de 2020. “Este é o maior estudo multicêntrico de intervenção realizado no Brasil. Estamos motivados e acreditamos em resultados positivos e impactantes”, reforça o cardiologista do Moinhos Luis Eduardo Rohde.

A doença
Dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia apontam a insuficiência cardíaca como a terceira doença clínica que mais causa internação pelo SUS (Sistema Único de Saúde) no país. Conforme a entidade, a cada ano são registrados 200 mil novos casos, e é provável que 2% da população brasileira seja acometida pela doença que ocorre quando o músculo do coração começa a ficar fraco, provocando fadiga e impossibilitando a execução de tarefas simples do dia a dia.

Veja mais posts relacionados

HMC tem nova superintendente

O Hospital Márcio Cunha (HMC), administrado pela Fundação São Francisco Xavier (FSFX), empossou a nova superintendente da unidade: a médica...

Fenasaúde terá nova Diretora-geral

A advogada e engenheira Vera Valente será a nova diretora-geral da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), substituindo o engenheiro...

BP São Paulo é certificada pela HIMSS

Após avaliação feita pela Healthcare Information and Management System Society (HIMSS), instituição global sem fins lucrativos que tem por objetivo...

Login to your account below

Fill the forms bellow to register

*Ao registrar-se em nosso site, você concorda com os Termos e Condições ePolítica de Privacidade.

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.