Custo com trabalhadores é a segunda maior despesa de empresas de planos da saúde

Os custos de cuidados com a saúde dos trabalhadores, na utilização de planos de saúde, se tornaram a segunda maior despesa das empresas, superado apenas pelos custos da folha de pagamento. É o que revela um balanço feito pela consultoria de benefícios e capital humano AON. De acordo com o levantamento, para 36 por cento das empresas analisadas, a assistência médica pode representar de 5 a 10 por cento da folha de pagamento.

A companhia considera que, um dos fatores que levam a esse quadro é o constante aumento dos preços de serviços de saúde. Para a diretora técnica de Saúde e Benefícios da Aon Brasil, Rafaella Matioli, a inflação médica também pesa nos custos com saúde. “Nos últimos cinco anos, essa inflação registrou um acumulado de 108 por cento, contra 42 por cento da inflação geral”, completa.

O balanço da consultoria considera que essa taxa na inflação médica é empurrada, principalmente, pelas novas tecnologias, que acabam ficando caras; Outros fatores apontados pela AON são o “alto” índice de judicialização na saúde e os desperdícios na utilização dos planos.

Ainda segundo Matioli, em 2016, o gasto médio por usuário chegou a cerca de R$ 3.600, ante R$ 2.890, em 2014. “Desta diferença, R$ 324,00 correspondem apenas ao aumento de frequência, o que representa quase 10 por cento de impacto neste custo crescente”, ressalta a diretora.

Apesar desse cenário, 99,8 por cento das empresas pesquisadas oferecem planos de saúde aos colaboradores, ainda segundo a AON. A mesma quantidade também aceita os cônjuges e estendem o benefício aos filhos.

Setor das indústrias

Em relação a esse tipo de plano de saúde, há um destaque para o setor industrial. Estudo feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), indica que o setor responde, parcial ou integralmente, pelo financiamento de quase 22 por cento dos planos de saúde privados em todo o país (10,2 milhões de beneficiários).
Informações do balanço apontam também que os preços dos planos de saúde têm aumentado desordenadamente nos últimos anos e isso tem comprometido a qualidade dos serviços oferecidos aos funcionários.

Para o gerente Executivo de Saúde e Segurança na Indústria da CNI, Emmanuel Lacerda, é preciso melhorar a gestão para garantir a continuidade e a qualidade desse benefício aos trabalhadores do setor. “Isso tem a ver com a mudança do sistema de remuneração de financiamento do sistema da saúde suplementar”, avalia.

“Assim, existe um sistema que incentiva o volume, a utilização e, não necessariamente, acompanhado de eficiência, de resultado”, completa Lacerda.

Ainda segundo a CNI, o formato atual resulta em incentivos inadequados no âmbito da cadeia de saúde e concorre para a existência de fraudes e desperdícios no âmbito do sistema.

Veja mais posts relacionados

Siemens adota plataforma IoT na FEI

MindSphere, sistema operacional aberto baseado em nuvem da Siemens, será integrado ao avançado laboratório de manufatura digital da Engenharia de...

Fenasaúde terá nova Diretora-geral

A advogada e engenheira Vera Valente será a nova diretora-geral da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), substituindo o engenheiro...

Login to your account below

Fill the forms bellow to register

*Ao registrar-se em nosso site, você concorda com os Termos e Condições ePolítica de Privacidade.

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.